segunda-feira, 10 de setembro de 2012

MAR

na baía, encontrei uma concha
e os olhos da lua, num pôr do sol distinto e
inscrito na maré baixa,
onde deixei um pé preso nas algas
e me tornei o sonho de uma sereia que, na praia,
criou pés e, distraída,caminhou
em eternos sonhos de orvalho,
recitados num teatro onde a luminosidade
estranha

da noite,
a deixou perdida nos recantos do mar.

tornei-me navegante dessa concha,
consciente do tempo passado e futuro,
que pinto e
habito,
como se uma tela me deixasse eternizada

no mar que salgas

e transformas em chuva pálida na manhã serena.

Somos nós, nas marés,
que criamos cenas da vida que escorre na areia
e deixa marcas de pegadas
nos locais onde somos, em cada luar, seres mágicos e

indistintos.
Navegar.......

Navegar é o sonho
cavalgado pela lua cheia

numa onda que não há.

Mar.
 
 

 susana duarte
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário