domingo, 16 de novembro de 2014

EXISTIR


.não existo.

                                      não sou mais do que o eco ambíguo de uma noite sem voz



uma noite tirou-me o sonho,

outra noite tirou-me a voz




                                               .não me resta senão diluir-me nas marés.


Susana Duarte
"Pescadores de Fosforescências"
Alphabetum Edições Literárias
Dezembro de 2012



1 comentário:

  1. é bom diluir
    nas marÉS

    mas é claro:
    tu existes
    e ÉS!

    com muitos sonhos e
    bela voz!
    9.22'.9"

    ResponderEliminar