sábado, 9 de abril de 2011

NÁUTICO


NÁUTICO

Não me deixes afundar-te os sonhos.
__________________________________
Permite-me, apenas, que o piano soe,
...e entoe o bater descompassado de estar
na superfície de uma noite eternamente
tua. Noite eternamente…nua… eternizar
os dias e glorificar as noites de seda quente.
____________________________________
Não me deixes afundar-te os sonhos.
____________________________________
Deixa-me navegar na impossibilidade de ser
a proximidade anunciada que percorres em mim.
Na ausência de asas, voarei assim. Costeira…
Deslizo na pele do sono de um dia sem fim.
Percorrer o inavegável de uma esteira dourada.
____________________________________
Não me deixes afundar-te os sonhos.
____________________________________
Voltaria a ser a agitação que o vento procura.
Voltaria a ser sorriso em olhos de profundo céu.
Voltaria a ser flor de jasmim de mil anos de sol
no Oriente. Voltaria …conseguisse eu vogar em mim…
Afasia do mar. Impossibilidade de leitura das ondas.
____________________________________
Não me deixes afundar-te os sonhos.
____________________________________
Não me deixes. Afunda-me o mar das impossibilidades.

(Susana Duarte)

1 comentário:

  1. Texto encantador! Parabéns pela inspiração!

    Abraços renovados!

    ResponderEliminar